Atenção: Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no site está a consentir a utilização dos cookies.
Escolha do consumidor Prémio 5 Estrelas

Otite: tipos e os tratamentos

10 Julho, 2019

Neste artigo a Viva Melhor sugere-lhe remédios caseiros que podem ajudar no tratamento e prevenção destas infeções quando ainda estão numa fase inicial.

Otite: tipos e os tratamentos

O aparelho auditivo é responsável pela audição e pelo sistema do equilíbrio do corpo humano. Este aparelho divide-se em três partes: ouvido externo, ouvido médio, ouvido interno. Cada uma dessas partes pode desenvolver uma otite, isto é, uma inflamação ou infeção. 

Otite externa no ouvido externo

Define-se por ser uma inflamação no canal auditivo. Esta otite poderá ser aguda (duração inferior a seis semanas) caso derive de infeções bacterianas ou crónica (duração superior a três meses) caso derive de alergias ou doenças autoimunes.

Fatores de risco: pequenas lesões ao limpar, praticar natação, utilização de tampões ou aparelhos auditivos e doenças de pele como a dermatite ou a psoríase.

Sintomas: dor no ouvido, inchaço do canal auditivo, dor ao tocar ou movimentar o ouvido externo e, em casos extremos, febre e perda de audição. A melhor forma de prevenir este tipo de otite é através da utilização de gotas otológicas à base de ácido acético.

Otite média no ouvido médio

Muito recorrente nas crianças, a otite média caracteriza-se pelo surgimento de um grupo de doenças inflamatórias. Consequentemente, verificar-se-á por trás do tímpano uma infeção ou obstrução por líquido.

A otite média pode dividir-se em otite média aguda (OMA) ou otite média com efusão (OME).

A OMA pode ser causada por bactérias, como vírus, que atacam os sistemas imunitários desprovidos de algumas imunidades.

Prevenção: não estar exposto ao fumo do tabaco; vacinação contra a gripe e pneumococos; evitar o uso de chupetas; amamentação exclusiva durante os primeiros seis meses de vida para que o sistema imunitário obtenha uma maior quantidade de defesas.

A OMA apresenta os seguintes sintomas: choro constante, puxar a orelha, vómitos e diarreia (crianças), dor severa, febre, diminuição da audição, irritabilidade, desconforto, perturbações no sono e perda de apetite. Caso a inflamação no ouvido seja superior a duas semanas e provoque episódios de secreção no ouvido, poderá designar-se de otite média crónica supurativa (OMCS).

A OME define-se pela presença de um líquido não infeccioso no ouvido por um período superior a três meses. Contudo, não apresenta sintomas. 

Tanto a OMA, como a OME e a OMCS podem levar à perda de audição se não forem devidamente tratadas por um médico. A medicação será à base de antibióticos e analgésicos. Após o tratamento, a audição voltará ao normal e o líquido da infeção que se acumula atrás do tímpano será absorvido. 

Otite interna (labirintite) no ouvido interno

Advém, maioritariamente, de uma infeção bacteriana que afeta o equilíbrio do corpo humano. Contudo, há outras causas que podem originar esta doença: alergia, lesão na cabeça ou reação a um determinado medicamento.

Os sintomas mais comuns da labirintite são a vertigem e a tontura. Com estes sintomas, podem aparecer outros: vómitos, enjoos, ansiedade, movimentos involuntários dos olhos e zumbido no ouvido que pode levar a uma perda auditiva temporária (parcial ou total). No entanto, não se apoquente! Maior parte dos casos de labirintite tem cura. É sempre importante o acompanhamento médico que irá receitar a medicação indicada.

A labirintite aguda pode durar entre 1 a 6 semanas. Todavia, alguns sintomas podem perdurar por cerca de 2 anos ou até a vida toda, como é o caso das tonturas.

Zumbido nos ouvidos

Ozumbido nos ouvidos pode derivar não só de uma otite interna como de outros problemas: esgotamento nervoso, hipertensão arterial, insónias.

Tratamentos

Embora não deva prescindir de um acompanhamento médico, a Viva Melhor tem algumas sugestões de remédios caseiros que podem ajudar a tratar ou atenuar os zumbidos ou a dor de ouvidos:

Amêndoa – aquecer uma colher de óleo de amêndoa, colocar 5 gotas de própolis, acrescentar sumo de folha de sabugueiro, embeber num pedaço de algodão no óleo e tamponar o ouvido.

Abóbora – assar flores de aboboreira e fazer cataplasma quente na região externa do ouvido, durante 20 minutos.

Alho – fritar 2 dentes de alho esmagado em 2 colheres de sopa de azeite, embeber um pedaço de algodão no azeite morno e tamponar o ouvido ou pingar duas gotas no ouvido.

Salsa –fazer sumo das folhas e talos. Aquecer levemente e embeber um pedaço de algodão no sumo e tamponar o ouvido.

Para além dos remédios com base em alimentos, sugerimos também o uso dos elementos terrestres através dos seguintes tratamentos:

Geoterapia: fazer compressas de argila com cebola ralada e aplicar na região da garganta e do ouvido, durante 1 hora.

Hidroterapia: fazer inalações com chá de eucalipto, 100 g para 1 litro de água e sumo de cebola misturado, durante 15 minutos.

Recomendações

Proteja bem os seus ouvidos. Siga as nossas recomendações e evite situações que possam causar essa perfuração: não deixe que lhe gritem e soprem nos ouvidos; não apanhe frio; não oiça música muito alta, especialmente se utilizar auscultadores; não se submeta à lavagem de ouvidos. Se estiver com gripe ou infeção nas amígdalas ou nas adenoides, procure tratamento o mais rápido possível para que estas infeções não se propaguem ao ouvido; tenha cuidado com os banhos de piscina ou de praia onde existam águas infetadas e, após estes banhos, seque sempre bem os ouvidos com uma toalha macia.

É importante evitar a exposição prolongada ao ruído intenso  (se trabalha em locais com muito ruído deve usar tampões ou protetores auriculares que impeçam a destruição do nervo auditivo); não retire o cerúmen do ouvido a menos que esteja a dificultar a sua audição, este funciona como protetor; os pêlos do canal externo do ouvido não devem ser cortados, servem de proteção contra a entrada de insetos e poeiras (se um inseto pequeno entrar no ouvido, coloque uma gota de óleo ou azeite, que obrigará o inseto a sair ou matá-lo-á, saindo depois com o auxílio de uma pinça).

Essencialmente, esteja atento aos sinais e não descure nunca de ajuda. Evite que os sintomas perdurem e produzam surdez. Frequente ambientes limpos e sossegados e desfrute do maravilhoso sentido que lhe foi fornecido. Ouça os nossos conselhos e preserve a sua saúde. É tão bom poder ouvir os outros, não é?

Estes e outros conselhos e tratamentos para uma vida melhor no Livro Viva Melhor com a Medicina do Lar.

Veja também:

 

 

 

Deixe uma resposta