Atenção: Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no site está a consentir a utilização dos cookies.
Escolha do consumidor Prémio 5 Estrelas

Epilepsia: causas e tratamentos

19 Novembro, 2019

A epilepsia e os ataques epilépticos são muitas vezes causados por lesões cerebrais ou devido à toma de certos medicamentos, álcool, drogas ou tabaco. O stress e a ansiedade também são fatores de risco. Viva Melhor sugere-lhe tratamentos naturais para ajudar a prevenir o surgimento destes ataques.

A epilepsia é uma doença neurológica que envolve o sistema nervoso e afeta grande parte da população. Atinge pessoas de todas as idades, sendo, no entanto, mais comum em pessoas muito jovens ou muito velhas. Embora o tratamento permita a muitos doentes viverem com esta doença, há casos em que as convulsões não são controláveis e afetam a sua qualidade de vida.

Sendo uma disfunção do sistema nervoso, o diagnóstico surge quando uma pessoa apresenta, repetidamente, uma disfunção temporária da atividade elétrica cerebral, que se assume na forma de crises epiléticas, afetando diversas funções físicas e mentais.

A epilepsia manifesta-se assim por pequenas crises compulsivas recorrentes em que o doente perde a consciência e o controle do corpo, espuma da boca e agita-se desordenadamente, podendo magoar-se gravemente ao cerrar os dentes ou ao cair no chão.

As crises têm tendência a repetir-se ao longo do tempo, sendo que a frequência varia consoante a pessoa. Algumas crises de epilepsia surgem sem um sinal prévio, enquanto outras são seguidas de alguns sintomas. A aura das crises geralmente é o primeiro sintoma, com vermelhidão da face ou palidez, náuseas e arritmia cardíaca. De seguida, segue-se um olhar fixo com o estalar dos lábios e mastigação. No fim do ataque, pode haver confusão mental, dores de cabeça ou sonolência. Estas crises são súbditas, imprevisíveis e incontroláveis.

Qualquer pessoa pode ter, em algum momento da sua vida, crises epilépticas e não ter epilepsia (doença). A epilepsia caracteriza-se por ser uma doença com um histórico clínico de crises epilépticas recorrentes.

Caso assista a um ataque epiléptico, ligue imediatamente para o 112.

Sinais de crises

As características das crises de epilepsia variam de pessoa para pessoa e dependem da zona afetada do cérebro bem como da sua intensidade. No entanto, existem alguns sintomas semelhantes:

  • Movimentos musculares involuntários
  • Perda da força muscular
  • Desmaios
  • Mordedura da língua ou da bochecha
  • Rigidez muscular
  • Movimentos rítmicos de todo ou parte do corpo
  • Confusão temporária e/ou perda de consciência
  • Episódios de medo, ansiedade ou sensação de “déjà vu”
  • Distúrbios dos sentidos, movimentos, função cognitiva e humor

Causas

Não há uma causa específica para esta doença. Há, no entanto, alguns fatores que ajudam a despoletá-la, como, por exemplo, uma lesão no cérebro. Entre alguns desses fatores também se encontram os seguintes:

  • Falta de oxigénio ou traumatismos durante o parto
  • Trauma
  • Traumatismos cranianos durante o nascimento ou acidentes na adolescência ou fase adulta
  • Tumores cerebrais
  • Tendência genética resultante de lesões cerebrais
  • Acidente vascular cerebral (AVC) ou qualquer outro tipo de danos no cérebro
  • Níveis elevados de sódio ou açúcar no sangue
  • Problemas cardiovasculares

Tratamentos naturais

Viva Melhor recomenda-lhe alguns tratamentos naturais que ajudam a reduzir a ocorrência de crises epiléticas.

Hortaliças

  • Agrião: Faça sumo das folhas diluído em água. Tome 250 ml três vezes ao dia.
  • Alface: Faça chá de alface incluindo os talos, 80 gramas para um litro de água. Tome uma chávena quatro vezes ao dia. A alface é um alimento sedativo.
  • Cebolas: Adicione nas saladas cruas.
  • Cenouras: Faça sumo de cenoura. Tome 250 ml duas vezes ao dia.

Frutas

  • Limão: Faça a terapia do limão. (p.337-338)

Outros tratamentos

  • Geoterapia: Aplique uma compressa de argila na região do abdómen e na fronte, retire ao fim de 2 horas.
  • Hidroterapia: Faça o banho vital durante 20 minutos duas vezes ao dia.

Recomenda-se suspender a alimentação omnívora e aderir à alimentação vegetariana. Evite o chá-preto, o café e o chocolate.

Fatores de risco

Existem também alguns fatores de risco que podem originar crises epilépticas ou despoletar a epilepsia, nomeadamente:

  • Stress e ansiedade
  • Tabaco
  • Alterações no ritmo de sono
  • Cansaço
  • Alterações na medicação em curso
  • Estímulos muito intensos (luzes brilhantes, televisão, vídeo, computador)
  • Ingestão de álcool, certas drogas ou tóxicos
  • Febre e infeções
  • Hipoglicemias
  • Toma de certos medicamentos (antidepressivos, anestésicos, entre outros)
  • Mudanças de temperatura corporal
  • Intoxicação

Prevenção

Adote uma dieta saudável, crie rotinas de sono e tenha momentos de relaxamento.

Evite o álcool, o tabaco, as drogas e todo o tipo de estupefacientes que possam afetar o seu sistema nervoso.

Faça exercício físico, beba muita água e tente dormir, no mínimo, 8h por dia.

Viva Melhor com a Medicina do Lar

Viva Melhor recomenda a leitura do livro Viva Melhor com a Medicina do Larcom tratamentos naturais para prevenir doenças e conservar a saúde.

Veja também:

 

 

 

Deixe uma resposta